Share |
Share |

E viva as olimpíadas e viva a copa ! cidadão existe para sustentar governante burro,só isso !

Polícia confirma dois mortos na explosão do helicóptero da PM



Você pode não acreditar mas insisto em dizer,quando uma nação é governada por pessoas que não tem uma inteligencia de nível elevado para lidar com sutiações antes que elas aconteçam ou seja...ver que o óbvio vai acontecer,saiba que pessoas morrem por causa disto !!! resumindo ...A burrice mata justamente que não tem nada a haver com quem cria a lei (burra) !
.
E digo mais depois deste fato ..cheguei a conclusão que vão simular preocupação vão agir rápido ..vão matar pessoas sejam elas bandidos ou não ..somente para dizer que estão fazendo algo ...mas depois vai voltar tudo as mesmas..a acreditei,fui um tolo acreditando que depois da morte de uma criança arrastada viva por bandidos e acontecendo novamente semanas depois em outro lugar no Rio de Janeiro as nossas autoridades(burras) iriam pensar ou pelo menos pedir para alguém pensar em algo que solucionasse a questão da segurança mas,como desses momentos de violência ainda não morreu filho de político nenhum ,parente de governador ou prefeito,alias estão todos bem protegidos com seguranças particulares,planos de saúde bons,seus filhos estudando no exterior,e realmente depois da morte deste menino ..não mudou nada,simplesmente NADA ...e podem ter certeza,a morte destes policiais no helicóptero não vai mudar em nada para os governantes que vocês elegeram eles são somente números descartáveis cujos seus salários miseráveis contrastam com o risco da profissão e para o governo,para restituição salarial não se vê o risco,mas a matemática dos cofres públicos que são diga-se de passagem,muito mal usados !

A burrice nunca mata seu hospedeiro !


Segue abaixo só para relembrar o caso do menino arrastado até a morte !








Brasil estão descendo a ladeira.

A covardia dos seres que os intelectualóides adoram chamar de "coitadinhos", "vítimas do sistema capitalista", "excluídos da periferia" não tem limite. Entre milícias e gangues os habitantes que pagam os contribuintes não têm direito a mais nada. Não tem direito a ter um carro (coisa de elite), não tem direito a ter filhos (família é uma idéia retrógrada), não tem direito a nada. Estes conceitos são repetidos por idiotas que vivem em seus luxuosos apartamentos na Zona Sul, que só fazem manifestações quando o seu filho é assaltado em frente aos chiques Centros Culturais.

Os jovens que adoram falar de revolução, oprimidos e periferia odeiam tudo aquilo que não é "cult", "outsider" e "do bem". Jamais compartilham o gosto da periferia, mas nutrem uma idéia totalmente errada entre o que diferencia a maioria dos trabalhadores pobres de meia dúzia de acéfalos que não tem nada a perder. O rico pode ter a rua fechada, o pobre não. O sociólogo se levanta dizendo que as milícias estão tomando conta das áreas pobres. Por que será que os intelectuais tem tanto apreço pela bandidagem explícita. Certamente as milícias não se diferem muito das organizações tradicionais de compra e venda de entorpecentes, mas está claro que existe algo de podre "neste reino".

Nunca na história deste país tivemos a vida foi tão desvalorizada. Nunca na história deste país tivemos políticos tão ineficientes. Se preparem porque o “Homem” ficará no poder até o povo acordar. Deixa o povo trabalhar! Agora querem dar para o Nosso Guia o poder de convocar plebiscitos sem precisar passar pelo congresso. Começa assim. O primeiro, logicamente, será o de mudança da Constituição, o segundo, a possibilidade da "reeleição indefinida". Depois, "Lei Habilitante", "Controle da Imprensa", "Direcionamento das Artes" (Censura). Tudo isto será conclamado por estudantes ignorantes que utilizarão o duplipensar para afirmar ao mesmo tempo em que nunca da história deste país o povo teve tanto poder e que o regime militar foi uma ditadura horrorosa.

Por falar em regime militar. Fico com asco quando ouço que aqueles eram os anos de chumbo. Anos de chumbo? O país crescia sem parar, os empregos eram maiores e você podia levar seus filhos para passear. Para os esquerdistas, amigos do mensalão e criminosos em geral os anos "unleaded" é que são bons. Hoje você pode pegar um ônibus e ser queimado. Se for de carro não leve as crianças. Está desempregado? Quando arranjar um emprego agradeça a um salário medíocre de 1/3 do que seria nos anos 60 e 70. Viva e deixe viver para que os políticos enriqueçam em nome da pobreza.

João Hélio Fernandes não vai virar nome de rua, nem será cultuado para a esquerda como os assassinos de policiais e criminosos internacionais como Saddam Hussein, Stálin e Pol Polt. A mãe-contibuinte dirigia o carro no bairro de Oswaldo Cruz, subúrbio do Rio de Janeiro (ex-Cidade Maravilhosa) às 21 horas. Ela levava sua filha de 13 anos no banco de carona e o pequeno João no banco de trás. Tudo certo até o carro parar num sinal de trânsito. Três "vítimas do sistema" pararam o carro e mandaram os ocupantes sair para se apropriar de um bem “da elite” - fato cada dia mais corriqueiro na cidade do Rio de Janeiro. Cadê os patriotas de Copa do Mundo que fizeram protestos do filme Turistas? A realidade das noites do Rio de Janeiro é muito pior do que qualquer ficção americana.

Quem viveu o terror de um assalto sabe o perigo que corre. Quem está com a arma na mão tem muito pouco a perder. A mãe e a filha conseguiram sair do carro, João não. Enquanto a mãe desesperada tentava livrar o filho do cinto de segurança para sair do inferno os "excluídos do capital" aceleraram. Eles andaram por quatro bairros com a criança dependurada pelo cinto de segurança. Várias pessoas na rua pediram para os bandidos pararem o carro. Vários avisos de uma criança presa foram dados. Nada foi feito. A criança não suportou.

Os defensores destes criminosos certamente dirão que eles não viram o menino. Existe desculpa para tudo neste mundo. Afinal, para o professor-de-esquerda-sustentado-pelo-dinheiro-do-contribuinte eles são assim, porque a sociedade é que é a culpada. Ela (a sociedade) os deixou como animais e não ao contrário. Nós, os contribuintes-que-não-recebem-dinheiro-do-governo é que vivemos presos e acuados como cães. Você não pode sair mais a noite, você não pode mais se locomover livremente (de carro, ônibus ou a pé).

Eles são os coitados, nós não. As "vítimas" dirigiram seis quilômetros sem parar. Dez minutos de agonia que fizeram mais uma vítima da violência urbana. Uma verdadeira vítima que não será defendida pelas organizações de direitos humanos, nem pelos esquerdistas, muito menos pelos patriotas de ocasião. Se fosse um bandido arrastado pela polícia a cidade pararia. Como foi uma criança de uma contribuinte as ONG’s não estão nem aí. Assim como não estarão nem aí os livres pensadores de esquerda. Que se comovem mais com um menino morto no Iraque do que um cidadão brasileiro. Patriotas de ocasião! Eles até teriam mais vontade se a criança fosse mais pobre possível. Quanto mais pobre melhor neste país. Viva a hipocrisia.

Os bandidos largaram o carro e fugiram por uma escada. A "justiça" social será feita com a prisão deles (já efetuada) e pelo posterior espancamento e estupro dos colegas de cela. Para estes outros crimes os defensores dos excluídos até justificam a política do olho por olho, dente por dente. A razão é óbvia. Foi um crime tão absurdo e bárbaro que só os mais cretinos ficam com vergonha de defender que toma uma atitude dessas.

“Especialistas” já começam a culpar o cinto de segurança. Este é um absurdo que chega a rivalizar com este trágico acidente. Será que nós brasileiros nos acostumamos tanto com a violência que vamos discutir o uso ou não do cinto num crime bárbaro. Se o cinto de segurança salvaria ou não a vida de João? Será que não deveríamos começar a discutir penas maiores. Maior patrulhamento das cidades ao invés de discutir sobre o uso ou não do cinto? A mãe-contribuinte poderia ser multada em R$ 127,69 e perder cinco pontos na carteira se o pequeno João não estivesse o usando um dispositivo que salva-vidas. O uso do cinto é obrigatório. Enquanto a discussão deste assunto desvia o fato dos que tiram as vidas. Até quando vamos sustentar marginais deste tipo? Um presidiário custa mais de quatro salários mínimos para o contribuinte pagar. Isto é justiça social? Deveríamos sim, ter pena de morte para crimes hediondos e corruptos - os assassinos que matam com canetadas.

Este mundo é absurdo. Precisamos nos esconder para fazer amor, mas a violência pode ser vista nas ruas. Um mundo que tentam censurar que divulga uma cena de sexo num local público, mas que se cultua a violência todos os dias.

Uma mãe prudente é questionada por cumprir a lei enquanto as "vítimas do sistema" podem matar, estuprar e assassinar. Sempre serão vítimas para quem tem compaixão com o crime. O contribuinte não pode comprar armas, o bandido compra as melhores. O cidadão não pode protestar no hospital, um político pode chamar de vagabundo. Vivemos numa ilha de hipocrisia. Um mundo de lodo, nojento e que a natureza faz a sua parte para nos eliminarmos. Criamos Deus a nossa imagem e semelhança, mas somos o pior entre os seres vivos. Destruímos o planeta, as nossas vidas e nossos semelhantes e ainda nos achamos que somos o centro do universo.

E vem aí o carnaval para comemorarmos o nada como idiotas.

Fontes:

Imagem helicóptero :Gazeta on line

Mais:Duplipensar


terça-feira, 20 de outubro de 2009

 
Wordpress Themes is proudly powered by WordPress and themed by Mukkamu
Templates Novo Blogger
Share |
Share |